(61) 3346 8606 | (61) 99156 2336

 

contato@hormonius.com.br

 

Ed. Vitrium - SGAS 614 Sala 148|

Asa Sul – Brasília, DF

Horários de

Atendimento

 

Segunda a Sexta-feira

8:00 às 12:00

14:00 às 18:00

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle

NOSSOS

SERVIÇOS

Veja aqui o que o Endocrinologista

pode fazer pela sua saúde.

Clique na foto para saber mais de cada tema! 

CRESCIMENTO

DISTÚRBIOS

DO COLESTEROL E TRIGLICERÍDEOS 

OBESIDADE

PRÉ E PÓS

OPERATÓRIO DE 

CIRURGIA BARIÁTRICA

CRESCIMENTO

DISTÚRBIOS

DA PUBERDADE 

DOENÇAS 

DA TIREÓIDE

DOENÇAS 

DA PARATIREÓIDE

DISTÚRBIOS

DA ADRENAL

DISTÚRBIOS

DA HIPÓFISE 

DISTÚRBIOS

DA MENSTRUAÇÃO 

MENOPAUSA E

REPOSIÇÃO HORMONAL

ANDROPAUSA

OSTEOPOROSE

SAIBA MAIS

DISTÚRBIOS DO COLESTEROL

E TRIGLICERÍDEO 

A dislipidemia é caracterizada pela presença de níveis elevados de lipídios (gorduras) no sangue - colesterol e triglicerídeos. Os distúrbios do metabolismo dos lipídios tem uma forte associação com doenças cardiovasculares, por isso é muito importante um acompanhamento médico frequente. Os valores de colesterol e triglicerídeos devem ser avaliados junto com o especialista, pois a decisão para o tratamento depende da idade, sexo e da presença de outros fatores de riscos.

DIABETES

E PRÉ DIABETES

Doença crônica caracterizada por hiperglicemia (aumento da glicose no sangue), resultante de defeitos na secreção e/ou da ação da insulina, o hormônio que controla a glicose no sangue.  Inicialmente não causa sintomas, que vão aparecer quando a glicose estiver muito descontrolada. Se este quadro permanecer por longos períodos poderá causar danos progressivos em diversos órgãos, vasos e nervos. Os principais tipos de diabetes são: Tipo 1 – apenas 10% dos casos, geralmente manifesta em crianças-adolescentes ou em adultos jovens; Tipo 2 – maior parte dos casos, fortemente associado ao estilo de vida – hábitos alimentares ruins e sedentarismo, obesidade, síndrome dos ovários policísticos, história familiar diabetes; Diabetes gestacional: alterações da glicose de início ou diagnosticadas na gestação, requer acompanhamento médico de perto devido os riscos para a mãe e bebê. E pré diabetes, existe? Sim, é o termo usado quando os níveis de glicose no sangue já estão mais altos do que o normal, mas não o suficiente para o diagnóstico de diabetes tipo 2.

 

OBESIDADE

É definida como excesso de gordura corporal, geralmente resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. É uma doença metabólica, atingindo todas as faixas de idade, que vem alcançando proporções epidêmicas. Está diretamente associada a complicações graves de saúde – diabetes, hipertensão arterial (pressão alta), alterações do colesterol e triglicerídeos, doenças cardiovasculares (infarto, AVC), diversos tipos de câncer com consequente diminuição da expectativa e qualidade de vida. Por isso, é fundamental o acompanhamento e tratamento com um endocrinologista.

PRÉ E PÓS OPERATÓRIO

DE CIRURGIA BARIÁTRICA

A cirurgia bariátrica é uma das opções de tratamento para a obesidade. Leva à perda de peso por alterações anatômicas gastrointestinais e também por alterações hormonais induzidas pela própria cirurgia. O endocrinologista tem importante papel tanto no pré quanto no pós-operatório. Antes da cirurgia é o médico indicado para selecionar os possíveis candidatos ao procedimento, rastrear distúrbios hormonais que possam ser a causa da obesidade e não tratáveis pela cirurgia e pesquisar complicações associadas.  No pós operatório, trabalha prevenindo, identificando e tratando deficiências nutricionais e complicações clínicas, controlando doenças associadas e prevenindo também o reganho de peso.

 

CRESCIMENTO

O crescimento de uma criança se dá de forma diferente em cada etapa do desenvolvimento, por isso deve ser acompanhado pelo especialista desde o nascimento até a obtenção da estatura final. As crianças e os adolescentes devem ser sempre avaliadas comparando-as com as outras de mesmo sexo e idade, com o perfil de estatura da família e com elas mesmas ao longo dos anos. As grandes variações do crescimento, tanto para mais quanto para menos, devem ser investigadas, pois podem representar algum problema de saúde. Nesses casos, o melhor a fazer é procurar um Endocrinologista.

DISTÚRBIOS DA PUBERDADE

Puberdade é o período de transição entre a infância e a idade adulta. Nas meninas, o início da puberdade ocorre entre 8-13 anos; e nos meninos, entre 9-14 anos. Nas meninas, o primeiro sinal de puberdade é o aumento da velocidade de crescimento e logo em seguida, o surgimento do broto mamário e, nos meninos, o aumento do tamanho dos testículos. É nesta fase também que surgem os pelos pubianos e axilares, odor axilar, acne e aumento da oleosidade da pele, modificação da distribuição de gordura nas meninas, aumento da massa muscular principalmente nos meninos, além das alterações psicológicas. Considera-se como precoce a puberdade que surge antes dos 8 anos em meninas e dos 9 anos em meninos; e atrasada, a puberdade que tem inicio após os 13 anos nas meninas e após os 14 anos, nos meninos.

 

DOENÇAS DA TIREOIDE

Se houver produção insuficiente ou exagerada dos hormônios tireoidianos temos o hipotireoidismo ou hipertireoidismo, respectivamente. Alterações de peso, humor, da temperatura

da pele, dos cabelos e unhas, do padrão de funcionamento do intestino e cardíacas podem estar por trás de distúrbios da tireóide. O nódulo é uma massa de tecido tireoidiano que cresceu ou um cisto cheio de líquido que se forma na tireoide, achados estes comuns na população e geralmente benignos,

mas que de toda forma merecem uma avaliação

criteriosa pelo especialista.

DOENÇAS DA PARATIREÓIDE

As paratireóides são glândulas localizadas atrás da tireoide, responsáveis pela secreção de um hormônio (paratormônio) associado ao controle do metabolismo ósseo.

 

DISTÚRBIOS DA ADRENAL

As adrenais ou suprarrenais são glândulas localizadas acima dos rins e são responsáveis pela secreção de hormônios importantes, como: cortisol, aldosterona, androgênios, adrenalina, noradrenalina, dopamina. As doenças associadas aos

distúrbios na produção hormonal pela adrenal são raras, sendo as principais a síndrome de Cushing, o hiperaldosteronismo,

o feocromocitoma e a insuficiência adrenal.

O câncer é ainda mais raro.

DISTÚRBIOS DA HIPÓFISE

A hipófise produz e secreta hormônios que controlam o bom funcionamento da tireóide, adrenal, gônadas – ovários e testículos e crescimento, por isso é muitas vezes chamada de glândula “mestre”. Tumores hipofisários (geralmente de natureza benigna, mas que podem ser funcionantes, ou seja, produzir algum hormônio em excesso), hiperprolactinemia (produção excessiva de prolactina), doença de Cushing (produção excessiva de um hormônio hipofisário que estimula a produção de cortisol), acromegalia (produção excessiva do hormônio do crescimento) e hipogonadismo (deficiência dos hormônios sexuais) são os principais distúrbios hipofisários e são doenças relativamente raras na população.

 

DISTÚRBIOS DA MENSTRUAÇÃO

Alterações do ciclo menstrual variam desde a ausência do fluxo menstrual até alteração do padrão menstrual – duração, intervalo e intensidade e podem indicar, dentre outras causas, alterações hormonais (Síndrome do Ovário policístico, doença da tireóide, aumento da prolactina ou dos androgênios e menopausa precoce). Portanto, é importante a investigação por um endocrinologista. Outras causas que também devem ser avaliadas e excluídas são alterações ginecológicas (como tumores, cistos, pólipos, miomas) e psicológicas (anorexia nervosa, estresse).

MENOPAUSA E REPOSIÇÃO HORMONAL

Os sintomas na menopausa variam muito de mulher para mulher, mas ondas de calor, alterações do sono, humor e libido e alterações vulvovaginais como ressecamento vaginal, dor durante o ato sexual e infecções genitais ou urinárias recorrentes são queixas frequentes e são consequência da queda hormonal. A terapia de reposição hormonal feminina pode ser uma opção nesses casos. É um tratamento eficaz e seguro, se bem indicado, respeitando sempre as particularidades de cada mulher e tempo ótimo para início e duração. Existem várias formas – oral, adesivo, gel e o especialista saberá qual a melhor formulação para você.  No entanto, mesmo aquelas mulheres que tem contra indicações a terapia hormonal podem se beneficiar de outras medicações não hormonais para alívio dos sintomas e melhora da qualidade de vida.

 

ANDROPAUSA

Andropausa é uma condição hormonal dependente da baixa testosterona. Ocorre geralmente em homens acima de 40 anos. Há grande variação nos níveis de testosterona entre homens saudáveis. Nem todos vão sentir as mesmas mudanças na mesma intensidade.
Os principais sinais e sintomas associados são: redução da libido, diminuição da massa muscular, aumento da distribuição de gordura principalmente em região central, maior risco de fraturas por osteoporose. O tratamento se dá através da reposição hormonal que pode ser realizada quando necessária após avaliação criteriosa e sob orientação endocrinológica.

OSTEOPOROSE

Caracterizada pela diminuição da massa e também alteração da arquitetura óssea, levando a um aumento da fragilidade do osso e do risco de fraturas. Pode ser secundária a menopausa, ao envelhecimento, a doença renal, hepática e reumatológica e ao uso de medicamentos, como o corticóide. É uma doença silenciosa, porém prevenível e tratável. Fique atento aos sinais, diminuição da altura e fraturas por baixo impacto frequentes podem significar osteoporose.

 

NUTRIÇÃO

“Que seu remédio seja seu alimento, e que seu alimento seja seu remédio” – Hipócrates

Visando um atendimento multidisciplinar, nossa equipe conta com o suporte de uma Nutricionista especialista nas principais doenças endócrinas e metabólicas.